Este trabalho tem, provavelmente, muitas incorrecções. Colocam-se-me sobretudo três tipos de dúvidas:

• nalguns casos, é bem possível que eu tenha tomado por moçambicanismos expressões que são apenas criações individuais;

• outras vezes, posso ter considerado moçambicanismo uma expressão local, compreendida apenas pelos falantes da língua da região;

• posso ainda ter considerado moçambicanismo alguma expressão de variantes do português que não conheço bem, sobretudo brasileirismos (ver caixa sobre esta questão ao fundo da página);

• finalmente, no caso de nomes de animais e plantas, é-me muito difícil saber quando é que os nomes que encontrei nas minhas pesquisas são realmente moçambicanismos ou são usados também noutras regiões de língua portuguesa – castanha de Inhambane ou maçaniqueira de Tete são obviamente moçambicanismos, mas amendoim do corvo sê-lo-á também?


As vossas críticas e sugestões (incluindo correcções de gralhas e de defeitos de layout), deixem-nas, por favor, nos comentários ou escrevam para

lucaslindegaard@gmail.com

Como isto é um glossário e não um verdadeiro blogue, os comentários serão apagados ao fim de algum tempo, nas arrumações periódicas que faço. Prefiro que me escrevam para o e-mail acima ou que me deixem um contacto nos comentários, para poder haver diálogo sobre as vossas propostas.

Identifico sempre a pessoa que me sugeriu uma determinada entrada (com o nome e outros dados que constem do comentário ou do e-mail que escreve, a não ser, claro está, que me dê indicações em contrário).
_______________________________________________

Ao fundo da página, há algumas notas sobre o português de Moçambique:

Instabilidade no uso dos pronomes objecto

Construção com nem no início de frase

Redobro

Pronúncia do português em Moçambique

Particularidades da voz passiva

A questão dos brasileirismos

Só as minhas definições e propostas etimológicas é que são... minhas!...

Quero deixar claro que o facto de citar, nos comentários às entradas, definições ou propostas etimológicas de outros dicionários não significa que concorde com elas. Nalguns casos, discuto-as ou assinalo a minha estranheza com um [sic]; noutros casos, limito-me a apresentar a informação sem a comentar.
A ++B ++C ++D ++E ++F ++G ++H ++I ++J ++L ++M ++N ++O ++P ++Q ++R ++S ++T ++U ++V ++X ++Y ++Z

Atenção: Opto por uma grafia aportuguesada de todos os empréstimos, pelo que uso, por exemplo, ca, que, qui, co e cu, em palavras que muitas vezes se escrevem com ka, kha, ke, khe, ki, khi, ko, kho, ku e khu. Assim, escrevo cabanga e não kabanga, muquero e não mukhero. O leitor deve ter em conta esta opção ao procurar palavras no glossário. Há também muita instabilidade na transcrição do som [š], ora com ch ora com x, pelo que devem verificar ambas as grafias possíveis. Por exemplo, a palavra que às vezes se vê grafada chicuembo, chikuembo, etc., aparece aqui como xicuembo.

P

pai n. m. (sobretudo como vocativo) senhor, como tratamento de respeito
Contribuição de Miguel, Maputo.

palapala, pala-pala n. (m.?, f.?) Zool. tipo de antílope, Hippotragus niger


pala-pala

palmeira do marfim n. f. Bot. Hyphaene crinita Gaerth [LP]

pangaio n. m. embarcação mais pequena que um zambuco, do mesmo tipo (do árabe? bangwa)
Pangaio parece ser a palavra portuguesa para designar a embarcação conhecida em várias línguas como dhow. Sendo uma embarcação típica de todo o Índico, é provável que o termo se possa considerar, na origem, mais do que simples moçambicanismo.


pangaio

panga-panga n. f. tipo de madeira dura, Millettia stuhlmannii


panga-panga

panja n. f. Hist. medida de capacidade entre 27 e 30 litros [HM]
Nem todas as definições coincidem com a de Malyn Newitt apresentada acima. Segundo José Roberto Braga Portella (Descripçoens, Memmórias, Noticias e Relaçoens, Administração e Ciência na construção de um padrão textual iluminista sobre Moçambique, na segunda metade do Século XVIII, Cutitiba: CEDOPE, 2006, Tese de Doutoramento), trata-se de uma medida com capacidade pouco superior a 5 litros. O dicionário Porto Editora, que regista panja como medida moçambicana, diz que corresponde a cerca de um alqueire (uma medida que oscila entre cerca de 13 e cerca de 22 litros).


papudo adj. (n.?) pessoa que fala muito, conta muitas histórias, exagerando um bocado e pondo algumas mentiras pelo meio, tanguista, endrominador, batepapista

pargo n. m. nome de vários peixes do género Lutjanus [CVM]
Não tem relação com o que se chama pargo em Portugal, Pagrus pagrus.

passa 1. n. f. (como massivo ou não: “ele fuma passa de vez em quando” ou “ele fuma uma passa de vez em quando”) cânhamo indiano, Cannabis sativa, marijuana, bangue, djadja, suruma 2. n. f. cigarro de Cannabis sativa, charro, joint

passopa [passópa], bassopa interj.? ou v. defectivo no imperativo cuidado! (do afrikaans (neerlandês) pas op, “id.”)
O dicionário Porto Editora regista o moçambicanismo passopa, para o qual propõe uma etimologia imediata macua, pasópe, mas parece-me mais provável que a palavra neerlandesa tenha entrado no português via não uma mas sim várias línguas bantas em que foi incorporada. Moçambicanismos, de Lopes, Sitoe e Nhamuende, refere a existência da palavra bassopa em cópi, changana, tsua e ronga.

pata de ganso n. f. planta, Chenopodium album [CVP]

patamar n. m. Hist. agente comercial africano, na ilha de Moçambique e na parte continental adjacente a ela [HM]
José Roberto Braga Portella (Descripçoens, Memmórias, Noticias e Relaçoens, Administração e Ciência na construção de um padrão textual iluminista sobre Moçambique, na segunda metade do Século XVIII, Cutitiba: CEDOPE, 2006, Tese de Doutoramento) dá de patamares uma definição diferente:  “mensageiros negros que viajavam pelas terras do interior.”

patanícua n. f. 1. (massivo?) doce de amendoim e/ou coco e açúcar, em forma de losango 2. o naipe ouros das cartas (de patanícua 1.)

patchar, paxar, patlhar v. i. invocar os antepassados, fazendo-lhes ofertas
No seu minidicionário de Moçanicanismos, Hildizina Norberto Dias dá como étimo das formas patchar e patlhar o changana phahla, com o mesmo significado. O verbo phalar (não sei como se pronuncia) é referido, como o mesmo sentido, em Moçambicanismos, de Lopes, Sitoe e Nhamuende. Segundo estes autores, vem do tsonga kuphahla.

paua n. m. poder (político, social) (do inglês power)
Colaboração de Cecília Pedro, Beira.

pauoso adj. que tem poder; poderoso (de paua)
Colaboração de Cecília Pedro, Beira.

pau-rosa n. m. árvore, Berchemia discolor Hems [LP]

peixe-pedra n. m. designação de vários peixes do género Pomadasys


peixe-pedra

pegar pé v. i. Hist.? pedir perdão, pedir desculpa [GL]

pega‑pega n. ? tipo de erva, Bideus pilosa [CVP]

pende, peixe-pende n. m. peixe de água doce, tilápia, do género Oreochromis


peixe-pende

penembe n. m. tipo de lagarto, varano do Nilo [MC]

pera (abacate) n. f. (pera) abacate
A maior parte da população não consome nem conhece peras, então não há confusão.

perron n. f. palhota pequena no quintal de uma casa, geralmente com paredes abertas, de caniço ou outro material leve, para descansar, comer ou beber, matchessa (palavra francesa)

pimenta n. f. massivo (“Não precisa de pimenta?”) pimento ou pimentão (Capsicum) doce verde e vermelho
Paralelamente a esta designação de pimenta, também se usa, para os mesmos frutos, a designação de pimentos. A palavra pimenta também designa, em Moçambique, a especiaria pimenta, Piper nigrum.

pita n. f. rapariga, miúda (de pita, “galinha”?)

piva n. f. tipo de antílope, Kobus ellipsiprymnus, também chamado inhacoso (imagem em inhacoso)

plástico n. m. contável saco de plástico
Normalmente, se se pede um saco em vez de um plástico, as pessoas ficam confusas ou simplesmente não compreendem.

pleia n. m. (adj.?) homem que anda com muitas mulheres, playboy (do inglês player? abr. de playboy?)

pombe n. m. cerveja tradicional, cabanga, oteca, uputo
Tanto o dicionário Porto Editora como o dicionário Priberam online registam este moçambicanismo.

portuguesa n. f. camisola de manga curta com dois botões e gola, pólo

postar v. t. pôr no correio (cartas) (do inglês post, “id.”)

prazeiro n. Hist. senhor de um prazo

prazo (da Coroa) n. m. Hist. concessão de terra pela Coroa portuguesa

presídio n. m. Hist. cidade ou vila fortificada; por extensão, cidade ou vila [HM]

profundar v. t. aprofundar
A palavra está atestada nos dicionários, mas nunca a ouvi em Portugal – deve tratar‑se de um arcaísmo. A questão aqui já não é saber se a origem é moçambicana, que não é, mas se só é usada actualmente em Moçambique. Também é possível que se trate apenas de um erro comum em Moçambique, o de não pronunciar aa átonos pretónicos em início de palavra: panhar em vez de apanhar, garrar em vez de agarrar, etc.

psipoco n. m. fantasma, xipoco [MC]

pulseira de menina n. f. tipo de ervas do género Digitaria, capim digitada [CVP]

6 comentários:

  1. "Pauoso" advém do inglês "power" (força, energia).

    ResponderEliminar
  2. Sim, mas é isso que tenho: pauoso de paua, em negrito, que remete para outra outra entrada do glossário, e, na entrada paua, imediatamente anterior, digo que vem do inglês power. Creio que é assim que se faz a derivação.

    ResponderEliminar
  3. According to a Banco de Mozambique document, the pala-pala or Sable antelope is at the back of the Mt50 note. It looks like a kudu to me. Is the 'pala-pala' a national antelope or a general word for antelope such as 'cobra' for snake?

    ResponderEliminar
  4. According to the Checklist de Vertebrados de Moçambique, by Schneider, Buramuge, Aliasse & Serfontein (Universidade Eduardo Mondlane, Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal, Departamento de Engenharia Florestal, 2005, available online here: http://bit.ly/1neUmZo) palapala or pala-pala, in Portuguese, and similar names in several other Mozambican languages refer only the Hippotragus equinus (roan) or the Hippotragus niger (sable). The kudu, Tragelaphus strepsicero, does not have that name in Portuguese nor a similar one in Bantu languages. There is another species, however, the bushbusk, Tragelaphus scriptus, whose name, both in Portuguese (Imbalabala) and in other national languages is somewhat similar to pala-pala.

    ResponderEliminar
  5. Caro, reitero uma vez mais os meus parabéns pelo magnífico trabalho. Só uma correção mínima: a piva é substantivo feminino, diz-se a piva; só assim o ouvi entre moçambicanos, e só encontro "a piva" em livros, blogues e tuítes de Moçambique, nunca no masculino. Haveria que corrigir aqui e na página inicial. Um abraço e mais uma vez os meus parabéns, é um trabalho genial!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma vez muito obrigado, privai se ti, a sua colaboração tem sido muito útil. Tem toda a razão e já corrigi o género de piva.
      Um abraço.

      Eliminar

Instabilidade no uso dos pronomes objecto

O português de Moçambique está a atravessar uma fase de grande instabilidade no que diz respeito ao uso dos pronomes objecto.

Quanto à colocação do pronome na frase, observa-se às vezes uma tendência para a anteposição do pronome relativamente ao verbo, como no português do Brasil (“Eh, pá, você me está a insultar, ou quê?”) e às vezes uma tendência para a posposição do pronome em situações em que tal não aconteceria nem no português europeu nem no português brasileiro (“Como ela chama-se?”).

Além disso, há grande instabilidade na escolha das formas de acusativo e dativo. Por influência da estrutura das línguas bantas, a tendência é cada vez mais usar sempre lhe(s) quando o pronome refere pessoas, independentemente de se usar com um verbo transitivo directo ou não: “A Ermelinda já chegou da Beira; encontrei-lhe ontem à noite na rua”.

Construção com nem em início de frase

Ao contrário do que acontece noutras variantes do português, nas frase iniciadas com nem, com o sentido de “nem sequer”, coloca-se um não antes do verbo: “estava teso, nem dinheiro para beber uma cerveja não tinha”. A construção também é usada pelos moçambicanos que têm o português como língua materna.

Redobro no português de Moçambique

Chamo redobro à duplicação consecutiva de uma unidade lexical.

Em português, usa-se o redobro de nomes e adjectivos (“ele é doido doido” ou “isto é que é medronho medronho”), de quantificadores, em frases negativas (“não gosto muito muito”, “não é assim tanto tanto…”) ou de formas verbais, para formar nomes (chupa-chupa).

Em Moçambique, há algumas destas formas com redobro de forma verbal para formar nomes que não são utilizadas no português europeu. Dois exemplos de que me lembro são ganho-ganho, que significa trabalho remunerado monetariamente, por oposição aos sistemas de ajuda mútua, e mata-mata, para referir o jogo infantil que em Portugal se chama apenas mata.

Usa-se também muito o redobro do quantificador pouco para formar um adverbial pouco-pouco, que significa “pouco a pouco”, “devagarinho” (“Como vão as obras lá de casa?” “Iá, mas estamos a fazer pouco-pouco”), mas é provável que não se trate de um verdadeiro redobro, mas antes do apagamento do a, que é comum em Moçambique: “Estou pedir” em vez de “estou a pedir”, “garrar” ou “cabar” em vez de agarrar ou acabar, etc.

Finalmente, outro uso muito moçambicano do redobro é o que se faz com numerais, quando se fala de preços, para significar “cada um”:
- A como está a folha de abóbora?
- Está (a) mil mil (=mil meticais [antigos] cada molho).
ou
- A como estão os cigarros? [em Moçambique, vendem-se na rua cigarros avulsos]
- Quinhentos quinhentos (=cinquenta centavos cada).

Pronúncia do português em Moçambique

Português língua materna

A pronúncia dos moçambicanos de língua materna portuguesa da 1ª geração (isto é, os que já tinham o português como língua materna na altura da independência) é muito parecida com a do português europeu, muitas vezes indistinguível. Dois traços que podem às vezes caracterizar o sotaque desses moçambicanos são a pronúncia “dura” de d e g entre vogais (ou seja, pronunciar da mesma forma os dois dd de dado ou os dois gg de gago) e pronunciar como um j o s entre vogais quando este liga duas palavras (ou seja, pronunciar “’tás a fazer” [tàjafazer] em vês de [tàzafazer]) [o que também pode acontecer, aliás, em algumas zonas de Portugal]. Os rr são sempre vibrantes alveolares e nunca guturais.

A mesma pronúncia muito próxima da pronúncia europeia mantém-se entre as elites de língua materna portuguesa das gerações seguintes (normalmente em pessoas com pais de língua materna portuguesa) e sobretudo em Maputo, que é onde há maior percentagem de falantes de português como língua materna ou de nível elevado como língua segunda.

Há muitos casos, porém, em que os moçambicanos que agora têm o português como língua materna não têm pais de língua materna portuguesa, mas antes que utilizam o português como língua de comunicação entre eles (por exemplo, pai chuabo, mãe maconde) e que, muitas vezes, vivem num meio onde o português é falado como língua de comunicação. Nestes casos, há fortes influências da pronúncia da língua da zona onde a pessoa vive e a sua pronúncia é muito parecida com a das pessoas da zona que falam o português como língua segunda ou estrangeira.

Português língua segunda ou estrangeira

É muito difícil fazer uma descrição unificada da pronúncia do português como segunda língua ou língua estrangeira, porque essa pronúncia difere, naturalmente, de região para região, em função da língua materna das pessoas. Há, porém, alguns traços comuns a muitas línguas bantas (alguns a todas), que posso aqui apontar:

• Ausência de encontros consonânticos típicos da pronúncia europeia ou impossibilidade de ocorrência no fim da palavra de determinadas consoantes. Neste sentido, muitos moçambicanos falam “como” os brasileiros ou os espanhóis – para dizer stress, pneu ou afta, por exemplo, introduzem uma vogal entre as consoantes: e também pode acontecer introduzirem um som vocálico, por exemplo, entre o s e o n da sequência mas nada...

A e e abertos: em geral, não há, nas línguas bantas, vogais fechadas e muito menos ee mudos, o que faz com que o [â] se pronuncie [á] e o e átono se pronuncie [i] ou [ê].

• Troca de [l] por [r], e das consoantes surdas [p], [t] e [k] pelas sonoras correspondentes [b], [d] e [g] e vice-versa. Em muitas línguas, as versões surdas e sonoras das oclusivas não são entendidas como sons diferentes, mas como variantes do mesmo som, consoante os sons que têm antes ou depois. Um exemplo extremo deste fenómeno é pronunciar [progo] a palavra bloco, como eu uma vez ouvi.

• Em várias regiões, pronúncias explosivas do t, e com a língua mais acima, como em inglês.

• Ausência de distinção entre o r simples e o r múltiplo, isto é, entre caro e carro.

• Erros de hipercorrecção: como têm consciência de que uma pronúncia “correcta” deve ter ee mudos, alguns moçambicanos fecham ee que nós abrimos em português europeu e que constituem excepção à regra de fechar todos os ee átonos. Assim, vamos ouvir pessoas que, por hipercorrecção, pronunciam esquecer [shkcer] em vez de [shkècer], por exemplo.

Deixo-vos também um link para um texto meu no meu blogue Travessa do Fala Só em que discuto uma questão de pronúncia do português em Moçambique.

Particularidades da voz passiva

Por influência da estrutura das línguas bantas, fazem-se, com muita frequência, frases passivas cujo sujeito é o objecto indirecto das frases activas que lhes correspondem. Diz-se, por exemplo, que “aquela associação de camponeses agora foi dada insumos por uma ONG suíça” ou que “nós fomos pedidos estar lá às 15 horas”.

Trata-se de uma tendência muito forte, que se começa a observar também nas novas gerações de moçambicanos de língua materna portuguesa. É provável, portanto, que se venha a afirmar como característica do português de Moçambique.

A questão dos brasileirismos

Nicole Gazonato, de São Paulo, teve a gentileza de me enviar uma lista de palavras que encontrou no glossário e que diz existirem também no Brasil. É-me impossível determinar se essas palavras foram efectivamente importadas do português do Brasil pelos moçambicanos falantes de português ou se se trata antes de coincidências, expressões surgidas independentemente em Moçambique, que, por acaso, são iguais a expressões brasileiras. É indubitável que há hoje uma grande influência do português do Brasil no português moçambicano, mas creio que algumas das expressões listadas por Nicole Gazonato existiam em Moçambique antes de essa influência existir – o que não significa que não possam, ainda assim, ter sido importadas do português brasileiro. Eis a lista das palavras referidas por Nicole Gazonato, a quem muito agradeço a sua colaboração, algumas com os seus exemplos ou comentários. Para mais informações (por exemplo, em que sentido ou uso é que estas palavras são moçambicanismos e/ou brasileirismos), ver a entrada das palavras listadas:

amanhecer
Ex. A comida amanheceu fora da geladeira; Amanheci esta noite na internet
cana (doce) "Cana no Brasil também é usado para se referir exclusivamente à cana de açúcar, usando-se bambu para se referir aos outros tipos de cana."
capaz Ex. Capaz de ele vir aqui em casa hoje = De jeito nenhum ele virá, ou Duvido que ele venha
capinar
checar
concunhada, concunhado
desenho
djô
empoderamento
emprestar
ficar Ex. Fiquei em duas matérias; Fiquei de português
flat "Usa-se flat para se referir a apartamentos, principalmente os de pouca metragem, mas não de baixo padrão"
gelinho "Também geladinho, dependendo da região do país."
gingar
papudo "[No Brasil], pode-se usar num sentido mais positivo também, como uma pessoa boa de "papo", com boa lábia."
postar
sabão
saúde
tia, tio
ventar